Malha ferroviária

Novas conexões da Estrada de Ferro Paraná Oeste

O Brasil está cada vez mais investindo na modernização e expansão de várias linhas ferroviárias, a Estrada de Ferro Paraná Oeste é uma dessas linhas. Atualizando a mais antiga estrada de ferro no país com novas conexões, grande ampliação das cidades sustentadas e aumento na carga transportada, ela representa diversas mudanças nas regiões afetadas, para o resto do país, e para outros países, no que se trata atualmente do potencial das ferrovias no Brasil.

Sendo normalmente dispensada no que se trata de ser pensada como uma real alternativa para transporte de produtos e commodities, as ferrovias podem, através da Nova Estrada de Ferro Paraná, significar um avanço tanto na logística do setor econômico, como também uma adaptação útil para problemas que virão no futuro.

Nova Estrada de Ferro Paraná Oeste

comboio de trens de carga

A Nova Estrada de Ferro Paraná Oeste faz parte de um projeto de ampliação privado, com extensão total de 1285 quilômetros. Passa pelo estado do Mato Grosso do Sul, nas cidades de Mundo Novo, Eldorado, Iguatemi, Amambai, Caarapó, Dourados, Itaporã e Maracaju. No estado do Paraná conecta as cidades de Cascavel e Foz do Iguaçu, e Cascavel e Guarapuava, criando um novo traçado por cima da Estrada de Ferro Original.

O maior objetivo dessa Nova Estrada de Ferro Paraná é ampliação das cargas transportadas em um período determinado de anos, para que assim tanto o estado do Mato do Grosso do Sul e do Paraná, ambos estados que aumentam cada vez mais a produção do industrial e do agronegócio (que sustenta essa empreitada), possam usufruir e aumentar esse sistema antigo, e torná-lo mais eficiente para os novos tempos.

Caráter Sustentável da Nova Estrada de Ferro Paraná Oeste

trem passando por região habitada

Contando com diversas alternativas como 10 túneis, 25 viadutos e 4 pontes, o projeto da Nova Estrada de Ferro Paraná consiste também em ser sustentável, e isso em todos os sentidos do projeto, seja na construção ou continuação das malhas ferroviárias. Com todo o cuidado para que as áreas urbanas permaneçam não afetadas, o objetivo da construção é também não atingir as regiões com vegetação alta e ao mesmo tempo também evitar o uso de terraplanagem que desmata, e fazer do projeto algo sério e que atenda as qualidades do selo verde de produção nacional. Isso tudo, claro, enquanto mantém a mais alta produção para o negócio, de maneira que a infraestrutura não cause problemas, com foco também em não afetar as áreas quilombolas ou indígenas próximas.

Novas Conexões da Estrada de Ferro Paraná Oeste

transporte de grãos na estrada de ferro Paraná

As conexões novas que envolvem todo o projeto da Nova Estrada de Ferro Paraná Oeste são muitas. Saindo de Guarapuava indo até o Porto de Paranaguá, substituindo a descida da Serra Mar, será criada uma das conexões novas. Outra será feita saindo de Cascavel indo até Maracaju. A previsão é de criar assim algo chamado pelo projeto de “Corredor Oeste de Exportação”, com previsão de criar novos corredores estratégicos de exportação e importação de produtos do agronegócio. Países que serão ligados também a esse projeto incluem a Argentina e o Paraguai, que também se beneficiarão da exportação de produtos do agronegócio e poderão fazer parte desse novo corredor oeste de transporte ferroviário.

Projeto de viabilidade técnica

Toda a viabilidade financeira do projeto está sustentada no setor privado e no incentivo a novas ampliações a partir dele. Criado em 2021, o projeto faz parte de um amplo esquema acontecendo atualmente no país, que procura tirar das mãos do Estado a total organização das ferrovias, e assim com a ajuda das empresas privadas fazer crescer novamente o transporte de cargas por trens.

A Ferroeste é uma empresa estatal brasileira, suportada principalmente pelo governo do Paraná, porém com a ajuda de novos financiadores, assim que for iniciado o “Ano Zero” da Nova Estrada de Ferro Paraná, já serão transportados impressionantes 26 milhões de toneladas de carga. Meta que pretende ser aumentada em mais 100% em um período de 60 anos.

Na lista de produtos que serão transportados pela Nova Estrada de Ferro Paraná estão a soja, o milho, trigo, açúcar, óleo, carnes, adubos, fertilizantes e combustíveis. Tudo isso está de acordo com um planejamento feito nesse ano e que pretende ampliar cada vez mais o acesso a transporte por ferrovia dentro do país, e poder finalmente fazer com que esses produtos não dependam mais do setor rodoviário, que está atingindo seu limite para o transporte devido de carga.

Conclusão

Em conclusão, podemos perceber diversos fatores que estão de acordo para o acontecimento da Nova Estrada de Ferro Paraná Oeste. Dentre eles, estão a nova postura do Estado com relação ao financiamento e controle do transporte de cargas por ferrovia no Brasil. Através da Nova Estrada de Ferro Paraná, o país poderá ver como uma velha malha ferroviária pode ser extensamente ampliada e adequada para as convenções e demandas dos novos tempos.

A partir então das conexões entre estados e país, um setor que é rotineiramente desvalorizado pode adquirir novos fundamentos, novos objetivos e novas conquistas. O importante de toda essa renovação é que ela é única na história do país, e pode representar também uma resposta para diversos novos problemas surgindo dentro do setor de transporte. Como o excesso de combustível gasto para o transporte nas rodovias, a sustentabilidade que deve envolver os projetos para o futuro de um país, e a logística eficiente que deve ser inserida nos meios disponíveis para o Estado e os empresários.

Fontes:

http://www.ferroeste.pr.gov.br/Noticia/Estado-apresenta-resultados-preliminares-da-viabilidade-da-Nova-Ferroeste-Uniao

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ferroeste#Nova_Ferroeste

http://www.ferroeste.pr.gov.br/

Deixe seucomentário

pt_BR
en_US es_ES pt_BR