Ferrovias, Malha ferroviária, Setor Ferroviário

Ferrovia Carajás: Entenda tudo sobre

Desde a construção da primeira ferrovia no Brasil, ainda no século XVIII, o setor ferroviário se transformou em um dos principais modais de transporte de cargas de pessoas do país. Durante todo esse período até os dias de hoje, o setor passou por muitas transformações, avanços e retrocessos. Já foi o segmento de transporte com prioridade de investimentos e, também, já passou por anos de abandono. Enfim, muitas coisas aconteceram com o setor ferroviário até ele se tornar o que é hoje em dia.

No decorrer de todo esse processo, muitas ferrovias foram implementadas e outras abandonadas. Atualmente, o Brasil possui cerca de 15 linhas ferroviárias, administradas por diferentes empresas privadas do ramo de logística. Entre as linhas, existe a Ferrovia Carajás ou então a Estrada de Ferro Carajás (EFC) que, quando comparada às outras, não é tão grande em extensão, mas é extremamente importante. 

A Ferrovia Carajás foi construída após um longo período de projeções elaboradas na região de Carajás, no estado do Pará. A construção da ferrovia se deu principalmente pela criação do Projeto Carajás, que era uma proposta do governo de exploração de grandes espaços abastecidos por minérios importantes nessa região, englobando diversas cidades de estados do Norte, como Pará e Tocantins, e alcançando a região sudeste do Maranhão, no Nordeste. Como essa era uma região importante para a mineração, o governo viu a necessidade de criar uma rota de transporte dos minérios extraídos e foi daí que veio a construção da EFC.

Mesmo que o projeto de construção da Ferrovia Carajás tenha sido concluído e entregue em 1974, as operações da ferrovia se iniciaram apenas nove anos depois, em 1985. Desde então, ela é uma importante forma de escoamento de produtos, principalmente para as regiões norte e nordeste do país. Além disso, essa é uma ferrovia que também atua no transporte de passageiros, tendo sua rota estipulada da cidade de São Luiz, no Maranhão, até Parauapebas, no Pará.

Situação atual

Situação atual

Diferente de muitas ferrovias brasileiras, que passaram por um longo período de escassez nos investimentos, fazendo com que os trens das vias e as estruturas, como os trilhos, fossem abandonadas ou, então, não recebessem aplicações mais modernas, a Ferrovia Carajás não sofreu com esse tipo de problema.

Muito por conta da importância da região em que a ferrovia atua e da abundância dos minérios e da necessidade de abastecimento do portuário do Maranhão para exportação desses produtos, a Ferrovia Carajás sempre recebeu os cuidados necessários para continuar funcionando. Justamente por isso ela é considerada uma das ferrovias mais modernas, tanto em relação ao transporte de cargas como de passageiros.

A via possui uma extensão de 892 km, passando pelos estados do Pará e do Maranhão e, também, tem integração com outras importantes linhas ferroviárias, como a Ferrovia Norte Sul. Ela está instalada exatamente onde existe a maior mina do Brasil, na região de Carajás, e é conectada ao porto do Maranhão, sendo o minério de ferro o principal produto transportado na ferrovia, além de manganês, cobre, combustível e outros produtos.

Administração da Ferrovia
Carajás

A Ferrovia Carajás é administrada, desde 1997, pela empresa Vale , que na época adquiriu a concessão da via e a mantém até os dias de hoje. Além dessa via, a  tem outras duas linhas administradas diretamente pela empresa e outras duas administradas pela VLI Logística, companhia formada pelo setor logístico da Vale em 2011 que, atualmente, mantém ações ligadas à empresa.

Uma dessas ferrovias, administradas pela VLI Logística, é a Ferrovia Norte Sul, Tramo Norte. A importância da Ferrovia Carajás aumenta ainda mais para a empresa já que ela faz conexão exatamente com o Tramo Norte da Ferrovia Norte Sul, administrada por uma empresa em que a Vale tem uma boa porcentagem de ações. Dessa forma, as operações de integração são facilitadas e a logística dos processos se tornam mais práticos, beneficiando ambas as ferrovias, cidades e portos abastecidos.

Números da Ferrovia Carajás

Números da Ferrovia Carajás

De acordo com o site da própria empresa Vale, administradora da Ferrovia Carajás, a linha possui um dos maiores trens do mundo, com 330 vagões e 3,3 km de extensão. Todo esse tamanho dos trens facilita na logística de transporte, já que possibilita que mais cargas sejam transportadas em um só percurso.

Ainda segundo dados fornecidos pela própria empresa, estima-se que sejam transportados 120 milhões de toneladas de cargas por ano, sendo os minérios mencionados os principais. Além disso, são movimentadas 350 mil pessoas anualmente pela via. 

Em relação a dados da quantidade de vagões, a VLI Logística informa em suas plataformas que a Ferrovia Carajás possui mais de 15 mil vagões e 254 locomotivas atuando constantemente. 

Balanças ferroviárias da MASSA

Balanças ferroviárias da MASSA

Como a ferrovia do carajás é repleta de elementos modernos, principalmente os trens e os trilhos da via, é fundamental que todos os processos de transporte sejam executados da maneira correta, de acordo com os pesos permitidos na linha. Como vocês podem ver mais detalhadamente no link a seguir, os tipos de trilhos são classificados de acordo com a pesagem da barra do trilho por metro. Essa classificação é importantíssima para determinar qual pesagem por vagão é permitido naquela determinada via.

A principal maneira de efetuar a pesagem dos vagões e das cargas transportadas por esses vagões é através da pesagem com uma balança ferroviária. Na Ferrovia Carajás, a MASSA possui  aproximadamente 15 balanças ferroviárias com altas tecnologias aplicadas, que permite que a pesagem dos vagões seja efetuada com exatidão, garantindo que os trens de cargas não excedam a pesagem permitida. 

Conclusão

Como percebemos ao longo do artigo, a Ferrovia Carajás é uma linha ferroviária de suma importância para economia do país. Criada para transportar os minérios extraídos na região de Carajás há décadas atrás, a Ferrovia se manteve presente na composição das linhas ferroviárias brasileiras e, até hoje, se destaca por conta da sua eficiência, modernidade nas estruturas e nos trens, bem como pela grande quantidade de cargas transportadas para as regiões em que ela atua, fundamental para o abastecimento do Porto de Itaqui, localizado no Estado do Maranhão. 

FONTES: https://www.antf.org.br/mapa-ferroviario/

https://www.antt.gov.br/vale-estrada-de-ferro-carajas

http://www.vale.com/brasil/PT/initiatives/innovation/carajas-railway/Paginas/default.aspx

http://www.vale.com/brasil/PT/aboutvale/news/Paginas/conheca-historia-balzaquiana-estrada-de-ferro-carajas.aspx

http://www2.antf.org.br/pdfs/EFC.pdf

Deixe seucomentário

pt_BR
en_US es_ES pt_BR