Setor Ferroviário

Tabela de AMV: Entenda o que é e qual sua função

A sigla AMV, muito utilizada nas ferrovias, é a abreviação para Aparelho de Mudança de Via. Ou seja, a AMV é aquele desvio construído nos trilhos ferroviários que permite que o trem transite de uma linha para a outra. Você muito provavelmente já viu e não entendeu para que eles servem e como funcionam. Bom, estamos aqui para esclarecer essas dúvidas sobre a tabela de AMV, e ajudar você a entender um pouco mais sobre essa aparelhagem importante nas linhas ferroviárias. 

O AMV é composto por variados acessórios que, juntos, possibilitam o mecanismo de mudança de rota para os trens. Para a construção de um AMV, é preciso que seja realizada uma série de cálculos de acordo com a base disponível na tabela de AMV. Apenas após os estudos e aplicações desses dados é possível que a montagem da aparelhagem ocorra. 

A composição de um aparelho de mudança de via é complexa, mas podemos apresentar as principais composições dessa estrutura. Passaremos parte por parte da formação dessa estrutura, citando os principais componentes que permitem que os trens façam a movimentação de troca de direcionamento.

Posteriormente, também falaremos sobre os tipos de AMV construídos nas linhas ferroviárias brasileiras, todas de acordo com os cálculos disponibilizados pela tabela de AMV, que garante que a construção seja feita de maneira adequada, não prejudicando as vias ou os trens.

Componentes da tabela de AMV: trilhos e dormentes

Tabela de AMV

Obviamente, por se tratar de linhas ferroviárias, os trilhos e dormentes fazem parte de sua composição. Os trilhos são formados por peças de perfil laminado e são construídos com a especificação adequada para cada via férrea. Eles são imprescindíveis para que os trens mantenham um caminho uniforme ou mudem a direção, já que são os trilhos que possibilitam a movimentação das rodas do trem.

Já os dormentes, por sua vez, são componentes que proporcionam a fixação dos trilhos nas malhas ferroviárias, mantendo-os presos e sustentados. A construção dessas estruturas para a composição de uma AMV deve ser feita de acordo com as normas, com os materiais mais resistentes do mercado e, também, em conformidade com a tabela de AMV. 

Lanças

Lanças

As lanças são ferramentas alocadas nas extremidades de uma via e são as partes móveis da composição. Por conta das lanças, a troca do direcionamento do percurso do trem é possível. Elas são formadas por trilhos menores, de aço laminado, e sua movimentação depende do uso de alguns outros aparelhos que veremos a seguir.

Agulha

Lanças

As agulhas são efetivamente os componentes que fazem a movimentação das lanças. Elas podem ser usadas de forma manual ou motorizada, de acordo com a necessidade da via. Para a instalação adequada dessas peças móveis e de controle da movimentação, é importante o uso de tabelas de AMV para que todas as peças sejam colocadas nos pontos exatos. 

Aparelhagem de Manobra


Essas são as peças que permitem a movimentação das agulhas, bem como o controle da posição das lanças, efetuando a troca do caminho dos trilhos. 

Jacaré e contratrilhos

Jacaré e contratrilhos

Essas composições são as partes referenciais de pontos de encontro entre dois trilhos. Os jacarés são, possivelmente, peças muito importantes da composição. Justamente por isso, eles também são comumente chamados de “coração” da linha ferroviária. 

Os jacarés são as intersecções de dois trilhos, montados nas extremidades de cada via. A construção desse instrumento pode ser feita de várias formas, como por exemplo:

  • Jacarés móveis;
  • Jacarés de trilho aparafusado;
  • Jacaré com ponta removível;
  • Jacaré maciço.

O tipo de jacaré que será instalado está diretamente ligado à forma como ele é construído. Os processos mais comuns que as peças dos jacarés passam até serem entregues e montadas nos trilhos de uma via férrea são: fundição, usinagem, cortes e aparafusamento.

Já os contratrilhos são ferramentas posicionadas nas extremidades, que fazem com que as rodas dos trilhos tenham por onde passar nos pontos de intersecção dos caminhos. O posicionamento adequado dessas peças é feito através do uso da tabela de AMV. 

Tipos de AMV

Tabela de AMV

Após entender um pouco mais sobre as principais composições de um Aparelho de Mudança de Via, é importante conhecer também os principais tipos de AMV construídos, e como as tabelas de AMV são fundamentais na realização de cálculos para a montagem dessa estrutura. 

AMV de Controle Manual

AMV de Controle Manual

O primeiro tipo de AMV é também a composição mais simples encontradas nas malhas ferroviária brasileiras. Como o próprio nome já diz, o controle das agulhas que movem as peças de transferência dos percursos é feito manualmente, através da ação dos trabalhadores responsáveis. Para esse tipo de estrutura, os cálculos disponibilizados nas tabelas de AMV são mais simples, já que não necessitam de aparelhagem motorizada. 

AMV de mola

AMV mola

Esse equipamento é composto por uma mola que realiza a troca da posição do trilho. Após a passagem dos trens, as molas voltam ao seu ponto de origem, juntamente com os trilhos. 

AMV com Controlador de Circuito Elétrico

AMV com Controlador de Circuito Elétrico

O AMV com comando de circuito elétrico, como o nome já deixa bem claro, é constituído por comandos a partir de aparelhos eletrônicos. Quando a chave do circuito for reservada, esses controladores impedem que o posicionamento da trilhagem seja alterado. 

Importância dos motores

Como vimos, são vários os tipos de AMV utilizadas nas linhas férreas. As possibilidades são diferenciadas de acordo com os comandos que são feitos para a movimentação das lanças. A composição é fundamentalmente direcionada indo de encontro com o tipo de motor instalado. Os motores podem funcionar de forma manual, hidráulica, elétrica ou por molas. Assim, a partir do sistema de funcionamento dos motores é que são definidos os tipos de AMV que serão aplicadas. Toda a instalação da estrutura e do sistema dos motores é feita, portanto, com o auxílio da tabela de AMV. 

Conclusão

Como vimos, os diversos tipos de AMV são montados para que os trens possam se movimentar em diferentes direções. A conclusão que podemos chegar é que essa estrutura, formada por diversos acessórios e acompanhamento de dados feitos pela tabela de AMV, é imprescindível para o deslocamento dos trens nos trilhos ferroviários. As possibilidades são variadas e para todas as necessidades.
Gostou do nosso artigo? Veja os outros no nosso Blog.

Fontes complementares:
https://www.youtube.com/watch?v=W7LkFY2S7hQ&list=TLPQMTYwNzIwMjC5WCzpcves3A&index=10

Rede noticiando
Portogente

Deixe seucomentário

pt_BR
en_US es_ES pt_BR