Malha ferroviária

A importância das ferrovias no agronegócio

Mesmo com a grande evolução dos setores industriais e comerciais no país nos últimos anos, o agronegócio continua sendo a categoria mais competitiva da economia nacional, sendo um dos principais fatores para uma plena inserção do Brasil no mercado global. Essa grande relevância vem acompanhada pela utilização das ferrovias no agronegócio. Alguns números conseguem comprovar essa importância. 

Conforme estimativa realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil colheu 237,3 milhões de toneladas de grãos em 15 culturas diferentes na safra 2018/2019. Essa marca representa um crescimento de 9,5 milhões de toneladas em relação à safra anterior, que em termos percentuais, mostra um acréscimo de 4,2%.

Com esse constante crescimento, a perspectiva é que o setor alcance uma produção de mais de 400 milhões de toneladas até 2035, representando, pelo menos 40% do valor total das vendas externas brasileiras. Esses são apenas alguns dados que demonstram a importância do setor para a economia brasileira e que pode ser mais potencializado com uma maior e melhor utilização das ferrovias. 

Sendo assim, diante do cenário apresentado até aqui, quer saber mais sobre a importância das ferrovias no agronegócio? Então, basta seguir com a leitura e saber tudo sobre o tema.   

Importância das ferrovias no agronegócio

Importância das ferrovias no agronegócio

Como já foi possível perceber até aqui, as ferrovias conseguem agregar em diversos fatores quando consideramos o escoamento de mercadorias em grande quantidade, principalmente na necessidade de transportar em longas distâncias. Diante desse cenário, veja abaixo os principais motivos que tornam fundamental o uso das ferrovias no agronegócio. 

Maior competitividade para o setor

Maior competitividade para o setor

Um dos principais limitadores do processo de desenvolvimento do agronegócio brasileiro está na parte do transporte das cargas, que ocorre majoritariamente pelo meio rodoviário, o que, na maioria das vezes, acaba por encarecer o processo por conta dos fretes cobrados. Em conjunto com isso, vemos uma queda da capacidade de atender demandas externas em igualdade com o mercado internacional.

Essa deficiência ocorre, principalmente, pelas grandes distâncias percorridas para realizar o transporte dos commodities agrícolas, como soja e milho, que são as principais matérias-primas de exportação brasileira. Com centros produtores localizados no Mato Grosso e Pará, as cargas ficam a mais de 2.000 km dos principais portos do país, Santos (SP) e Paranaguá (PR), dificultando o escoamento que é feito pelas rodovias, já que não é possível transportar um grande montante de uma única vez. 

Sendo assim, a utilização das ferrovias no agronegócio se apresenta, tanto a médio e longo prazo, como um modal facilitador e integrador do escoamento da produção agrícola brasileira. O Projeto Brasil, por exemplo, idealizado pelo Instituto de Engenharia, tem buscado colocar em prática algumas medidas que auxiliem nesse desenvolvimento. Para saber mais sobre a proposta do instituto, basta clicar aqui

Diminuição do gargalo logístico 

Diminuição do gargalo logístico ferrovias no Agronegócio

Do que adianta produzir commodities agrícolas com alta qualidade e no tempo adequado se não será possível distribuir essa carga de modo rápido e eficiente? Essa talvez seja a maior questão do agronegócio brasileiro, a produtividade das safras está cada vez melhor, mas o transporte rodoviário acaba não acompanhando esse crescimento, sendo um modelo logístico que demanda mais tempo e mais riscos para os agricultores. 

Além disso, ao se verem, muitas vezes, refém do transporte rodoviário, os agricultores acabam tendo gastos ainda maiores para garantir a manutenção de uma frota de caminhões em estradas com asfaltos de péssima qualidade, o que já não ocorre nas ferrovias. 

Com isso, o transporte pela malha ferroviária se apresenta como excelente saída para os agricultores que desejam ter uma maior competitividade com a sua produção, seja no mercado interno como no internacional.  

Baixo custo de manutenção 

Baixo custo de manutenção

Uma terceira vantagem da utilização das ferrovias no agronegócio brasileiro é o fato desse modal apresentar um custo de manutenção menor em relação às rodovias, por exemplo. Isso porque os materiais utilizados na construção das linhas são de alta resistência devido ao grau de exigência durante o seu funcionamento, assim como os próprios vagões e locomotivas.

Esse fator acaba atingindo diretamente o gasto com o transporte também. Uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria logística Ilos ainda em 2013 já mostrava essa diferença. Enquanto para realizar o transporte de mil toneladas de uma carga pela ferrovia brasileira tinha um custo de R$ 43 por quilômetro, pelas rodovias esse valor saltava para R$ 259, ou seja, seis vezes maior.

Mesmo assim, é preciso mencionar e deixar claro que o custo de implementação de uma ferrovia é elevado, sendo maior nesse caso em comparação com as rodovias. 

Maior segurança no transporte

Maior segurança no transporte

Enquanto as rodovias brasileiras apresentam mais casos de violência e roubos dia após dia, essa já não é uma realidade a ser considerada quando tratamos do uso das linhas férreas para transporte. As ferrovias apresentam uma taxa muito menor de roubos de cargas e acidentes.

Em grande parte, os possíveis acidentes que poderiam acontecer na malha ferroviária, como descarrilamento e tombamento, por exemplo, são evitados com a pesagem  dos vagões antes do transporte. Isso só é possível graças as balanças ferroviárias de alta precisão, como as oferecidas pela Massa Pesagem e Automação Industrial. 

Empresa líder de mercado no setor de Balanças Ferroviárias Dinâmicas (BFD), a Massa conta com mais de 15 anos de expertise no setor ferroviário, agregando em qualidade e confiabilidade para o transporte pelas ferrovias. Para saber mais sobre a empresa e soluções oferecidas, basta clicar aqui

Menos poluente

Menos poluente

Por último, mas não menos importante, o maior uso das ferrovias no agronegócio também gera uma redução da liberação de gases poluentes na atmosfera, o que também tem grande valia quando tratamos de produção agrícola. Por ser necessário apenas uma locomotiva para conseguir transportar diversos vagões de carga, se reduz consideravelmente a poluição quando comparado com o transporte da mesma carga pelas rodovias, que exigiria uma grande quantidade de caminhões.  

Conclusão

De uma forma geral, aumentar a utilização das ferrovias no agronegócio é de grande importância, ainda mais quando consideramos um país de proporções continentais como o Brasil. Gostou desse conteúdo? Para ter acesso a mais artigos sobre esse e outros assuntos que envolvem o setor ferroviário basta clicar aqui e acessar o nosso blog. 

Deixe seucomentário

pt_BR
en_US es_ES pt_BR