Vagões

Descubra quais são os tipos de detectores que contam eixo de trem

Apesar de poucos saberem da sua importância, o eixo de trem é essencial para o controle das operações que acontecem dentro de uma linha ferroviária.

Além de garantir o funcionamento das rodas, os eixos são contados constantemente, durante o transporte, o que dá às companhias a possibilidade de construir sistemas que reconhecem as posições dos diversos carros que operam sobre a ferrovia, organizando todas as etapas, desde as paradas para manutenção e carregamento, até a localização dos vagões. 

Por isso, veremos os principais detectores que contam eixo de trem. Mas, antes, vale explicar o que é um eixo e a sua utilização no setor de transporte ferroviário

O que é um eixo de trem?

contadores de eixos de trem

O eixo de trem, assim como de outros veículos terrestres, têm uma função comum: distribuir as cargas que atuam contra a superfície dos trilhos e permitir o deslocamento, já que é neles que as rodas são acopladas.

Além desta utilização muito conhecida, os eixos ganharam mais importância com o sistema de transporte ferroviário, impactando diretamente a segurança e a eficiência deste modal de transporte, que encontra desafios logísticos constantemente.

É através da tecnologia dos detectores de eixo que as companhias ferroviárias conseguem definir a posição, medir a velocidade, temperatura em alguns casos e detectar imperfeições nos rodeiros. Com essas informações coletadas por softwares, um sistema de monitoramento e controle é gerado, permitindo o domínio das operações com maior eficiência.

Existem diversos modelos de detectores de eixo de trem, cada um com um funcionamento diferente, mas que permitem aplicações através dos sistemas de supervisão e controle de tráfego. Enquanto o controle de tráfego está ligado à gerência da ferrovia de uma forma geral, englobando todos os carros da linha férrea, o sistema de supervisão é uma ferramenta inovadora, visto que permite ao maquinista o controle de algumas operações, sem a necessidade de uma supervisão.

Antes, estes condutores dependiam de um suporte por parte dos controladores de tráfego, via comando de voz ou sinalização de campo, o que podia resultar em ações tardias, falhas de comunicação e o aumento do erro humano, fatores que foram mitigados quando se passou a usar um painel de controle com informações precisas à disposição do maquinista, na cabine de controle.

Entre as tecnologias possíveis graças à contagem de eixo de trem são: o ATS, que verifica as ações do trem constantemente, interferindo nos freios, caso necessário; o ATP, uma ramificação do anterior, que verifica a velocidade constantemente, realizando interferências pontuais para curvas e sinais vermelhos; o ATO, que intensifica o controle com partidas, paradas, marchas e até portas; e ,por último, o ATC, que é o auge do poder de controle e informações sobre o transporte ferroviário, unindo características do ATP ao ATO.

As siglas que representam cada tecnologia são mais fáceis de compreender, visto a nomenclatura em inglês:

  • Automatic Train Stop (ATS) 
  • Automatic Train Protection (ATP)
  • Automatic Train Operation (ATO)
  • Automatic Train Control (ATC)

4 tipos de contador de eixo de trem

eixos de trem de uma locomotiva

Fibra óptica

O sensor de fibra óptica não é exatamente um contador de eixos, mesmo que a sua instalação em ferrovias ainda facilite esta função, através de um levantamento de informações sobre o vagão, que são processados em um sistema integrado, multitarefas.

O seu funcionamento para contar o eixo de trem se baseia na detecção do trem, apontando o seu posicionamento sobre os trilhos e cruzando informações do controle de tráfego, como o modelo de trem. Logo, de acordo com a posição detectada, o modelo específico de trem tem os seus eixos contados, juntamente com o seu tamanho, entre outras informações.

Contadores indutivos

Conhecidos pela fácil instalação sobre os trilhos e a manutenção de baixo risco e custo financeiro, os contadores indutivos podem ser utilizados em conjunto e distribuídos pela malha da forma que a companhia desejar, a fim de montar uma base de informações para o controle de tráfego.

Seu funcionamento é realizado através de garras que são acopladas nos trilhos e geram um campo elétrico. Quando o trem passa próximo às garras, o metal que compõem as rodas gera uma interferência no campo eletromagnético, que é interpretada por um software, capaz de contar o número de rodas, mostrar o sentido do trem, calcular a velocidade e até mesmo o diâmetro do rodeiro.

Piso elétrico (Kistler)

O piso elétrico é utilizado comumente em veículos do transporte rodoviário, com uma tecnologia simples, que consiste em um circuito elétrico fechado que apresenta alterações na sua tensão de saída conforme sofre deformação.

Esta deformação é causada justamente pela pressão que os veículos fazem sobre a plataforma conhecida como piso, de maneira que o circuito fechado em seu interior mude o seu comprimento e espessura. Ao fim da pesagem, um software compara a diferença entre a tensão inicial e a final, convertendo os valores em peso e, de acordo com a padronização de carga por eixos, consegue realizar a contagem.

Contato seco

Entre as tecnologias para contar eixo de trem, o contato seco é a mais rudimentar, visto a sua aplicação simples, mas que não garante tanta precisão e integração com os softwares do sistema de controle.

Primeiro, blocos da linha são isolados e alimentados com uma tensão elétrica, como se formassem um circuito aberto que sofresse um curto-circuito com a passagem dos rodantes, que são ligados pelos eixos, conectando ambos os lados dos trilhos.

Este de detecção é constante e conforme a ocupação do trem sobre o bloco acontece, o sistema interpreta o curto como se os eixos entrassem por determinado trecho, o que acontece em diversos blocos, a fim de calcular o tempo de entrada, saída e o número de acionamentos provocados pelos eixos. 

Conclusão: contadores de eixo de trem

Simmtrack 10

Independente da tecnologia utilizada, a contagem de eixos é uma parte importante dos processos que envolvem a eficiência, o controle e a segurança das ferrovias, pois é através desta tecnologia que se torna possível melhorar a performance dos trens, que precisam respeitar os limites de peso por eixo, para garantir um bom estado dos trilhos.

A aplicação destes detectores também facilita a condução dos trens, já que os painéis e sistemas de parada emergencial ou automática foram inseridos na própria cabine dos condutores, que antes dependiam da comunicação com as centrais de controle, sendo mais suscetíveis às falhas.

A Massa também vem investindo em um contador de eixos de tecnologia própria. O Simmtrack da Massa apresenta um produto inovador e preciso. Com sensores tipo células de carga digitalizadas embutidas no trilho tipo viga em flexão, o dispositivo é capaz de contar eixos e gerar relatórios sobre os resultados. Conheça mais conversando com um de nossos especialistas!

Fontes:

https://www.mrs.com.br/post-newsletter/pns-em-congonhas-sao-as-primeiras-na-mrs-a-receber-contadores-de-eixos/

http://www.gorni.eng.br/Gorni_ElectroBras_2003.pdf

https://www2.pcs.usp.br/~espina/index_arquivos/19870000%20-%20Metro.pdf

http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/EngMecanica_LopesFJF_1.pdf

https://br.melayukini.net/wiki/Axle_counter

https://www.gov.br/dnit/pt-br/ferrovias/instrucoes-e-procedimentos/instrucoes-de-servicos-ferroviarios/isf-217-projeto-de-sinalizacao-ferroviaria.pdf

Deixe seucomentário

pt_BR
en_US es_ES pt_BR